terça-feira, 2 de junho de 2009

Manhã de domingo e o Congado de Paraibuna

O sol já vai entrando
Vai deixando a claridade e a luz
Coroado despede da igreja
E do menino Jesus
Vou descendo rio abaixo
Numa canoa furada
Ô Beira Mar, adeus Dona
Adeus Riacho de Areia

Arriscando minha vida
Numa coisinha de nada
Ô Beira Mar, adeus Dona
Adeus Riacho de Areia
Adeus, adeus, dona adeus
Eu já vou m'embora
Eu morava no fundo d'água
Não sei quando eu voltarei

Eu sou canoeiro
Eu não moro mais aqui
Nem aqui quero morar
Ô Beira Mar, adeus Dona
Adeus Riacho de Areia
Moro na casca da lima
No caroço do juá
Ô Beira Mar, adeus Dona
Adeus Riacho de Areia
Um dia eu fui passear
O meu coração ficou
Quem morava dentro dele

Partiu, fechou, tirou a chave, levou
Canário amarelo que sabe dobrar
Eu também sou canário
Eu também sei cantar
Levantei o bastão
Deixa a fita avoar
Vamos na mais pura macieza
Vamos na maior delicadeza
Salve Sinhô Pardom e Família! Festança dos Congados de Paraibuna. Viva o Vale do Paraíba! E que a comida nunca falte na mesa das famílias!